Como usar dados gratuitos do Sentinel para monitoramento ambiental?



Ouça este conteúdo
Parar este conteúdo

Para monitorar manchas de óleo no Litoral do Nordeste, durante o desastre por derramamento ocorrido em 2019, o Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (LAPIS) utilizou dados do satélite Sentinel 1-A.

Na ocasião, foram identificadas, nas imagens, evidências significativas de derramamento de óleo, que apoiou órgãos públicos brasileiros, responsáveis pela investigação do desastre.

Dessa experiência de monitoramento, foi gerada uma metodologia para análise desse tipo de desastre ambiental, com uso de dados gratuitos do Sentinel.

Mosaico de imagens do satélite Sentinel 1-A. Fonte: Lapis.

Mosaico de imagens do satélite Sentinel 1-A. Fonte: Lapis.

A família de satélites Sentinel observa a Terra, oceanos e atmosfera, coletando dados a partir do espaço. Todos os dados capturados desses satélites são gratuitos, para incentivar seu uso máximo.

Para quem tem interesse em baixar dados do Sentinel, para monitoramento ambiental, nesta quinta-feira, dia 25 de novembro, às 19 horas, o pesquisador Humberto Barbosa, fundador do Laboratório LAPIS, vai ministrar uma Aula AO VIVO. Para ativar o lembrete da aula, clique no link abaixo:

Os dados estão disponíveis 24 horas por dia, 7 dias por semana e 365 dias por ano. Os satélites Sentinel fazem parte da missão Copernicus, o maior e mais ambicioso programa de observação da Terra do mundo, até hoje.

Do aquecimento global às mudanças no uso da terra e na atmosfera, o objetivo é contribuir com os atuais desafios de segurança ambiental, oferecendo uma frota de satélites autônomos.

O Copernicus já lançou vários satélites, incluindo o Sentinel-1, Sentinel-2 e Sentinel-3. Devido ao seu sucesso, existem planos para o lançamento de vários outros.

>> Leia também: As 5 mudanças no uso e cobertura da terra na Caatinga nas últimas décadas

Em geral, cada missão Sentinel tem dois satélites gêmeos, na mesma órbita. A razão para isso é oferecer melhor cobertura e encurtar os tempos de revisita.

Uma cena do Sentinel após a outra, os dados são lançados em uma interface de usuário chamada Sentinels Scientific Data Hub, agora disponível para acesso do público.

O que é um satélite-radar?

Por se tratar de um satélite com Radar de Abertura Sintética (SAR), o Sentinel é considerado o mais moderno sensor para identificar desastres no mar ou em terra, pois emite energia em micro-ondas e o sinal recebido não tem interferência da atmosfera.

Observe na imagem acima, uma mancha de óleo identificada no Litoral da Paraíba, pelo Laboratório Lapis. A imagem do Sentinel 1-A é do dia 24 de julho de 2019. 

Mais informações

Se você tem interesse em gerar mapas, processar e analisar imagens, o LAPIS está com inscrições abertas para o Treinamento prático em QGIS. Para conhecer o método que ensina a usar o QGIS como a “mina de ouro” para a sua carreira ou projeto, assista a esta videoaula

COMO CITAR ESTE ARTIGO:

LETRAS AMBIENTAIS. [Título do artigo]. ISSN 2674-760X. Acessado em: [Data do acesso]. Disponível em: [Link do artigo].

Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos:



Artigos Relacionados

Pesquisa

Sem esse mapa você poderá perder boas oportunidades

Pesquisa

Desmatamento dispara na Amazônia e é alerta para aumento das emissões

Pesquisa

Seca se expandiu pela bacia do São Francisco nas últimas décadas

Inscreva-se

Deixe aqui seu e-mail e receba nossas atualizações.


×

Este site utiliza cookies. Ao fechar este aviso, você concorda. Saiba mais.