As 5 mudanças no uso e cobertura da terra na Caatinga nas últimas décadas



Ouça este conteúdo
Parar este conteúdo

Um estudo coordenado pelo projeto MapBiomas destacou as mudanças no uso e cobertura da terra, na Caatinga, no período de 1985-2020.

Para a realização do estudo, foram analisadas cerca de 150 mil imagens dos satélites Landsat, com resolução de 30 metros, disponíveis durante o período de 35 anos. Foram coletadas informações anuais sobre vinte e cinco classes de uso e cobertura da terra, no bioma.

Neste post, vamos destacar os principais resultados do estudo, que mapeou as mudanças na cobertura da terra da Caatinga, nas últimas décadas.

1) A Caatinga perdeu 10% da sua vegetação em 35 anos

Mapa do uso e cobertura da terra na Caatinga (1985 e 2020).

Uso e cobertura da terra na Caatinga. Fonte: MapBiomas.

De acordo com o mapeamento, atualmente cerca de 63% da Caatinga é coberta por vegetação (floresta, savana e campo), enquanto 35% dos seus ecossistemas são ocupados por atividades agropecuárias.

No período de 1985-2020, a Caatinga perdeu 10% da sua cobertura vegetal. Por outro lado, nesses 35 anos, houve um crescimento das seguintes classes de uso e cobertura da terra no bioma: aumento de 1456% da área de agricultura; crescimento de 145% da área de infraestrutura urbana e aumento de 48% na área de pastagem no bioma.

No mesmo período analisado, enquanto houve 10% de perdas da área de vegetação natural, as áreas antropizadas superaram os 23%, como mostrado no mapa acima. No total, o mapeamento aponta que cerca de 10 milhões de hectares (Mha) de savana e formações florestais da Caatinga foram convertidos em atividades agropecuárias, na Caatinga.

Somente de formações savânicas, foram perdidas 10% de área de cobertura, representando por volta de 5 Mha, no período. Vale lembrar que, do ponto de vista da vegetação, o bioma da Caatinga é classificado como savana-estépica. Além disso, cerca de 1,26 Mha de vegetação não florestal também foi convertida para agropecuária, de 1985 a 2020.

Esses dados reforçam o processo gradativo de degradação ambiental do bioma Caatinga, que em algumas áreas culminam no histórico processo de desertificação, ou seja, quando o solo atinge um nível de deterioração grave ou muito grave.

2) A Bahia foi o estado que mais reduziu áreas de savana e o Ceará áreas de florestas 

Mapa de áreas com cobertura florestal na Caatinga_Mapa no QGIS

Áreas com cobertura florestal na Caatinga. Fonte: MapBiomas.

O estudo também mapeou os estados e municípios da Caatinga onde predominam algumas classes de uso e cobertura da terra. De acordo com a classificação, para o ano de 2020, concluiu-se:

a) Savana: Bahia, Ceará, Piauí e Pernambuco representam hoje cerca de 85% de toda a área de formações savânicas, mapeada na Caatinga, sendo que 21,5% dessa categoria de uso da terra está na Bahia.

No período de 1985-2020, a Bahia apresentou maior redução na área de formações savânicas, na Caatinga, com diminuição de 2,09 Mha.

b) Florestas: os estados do Ceará, Bahia e Piauí representam atualmente cerca de 90% de toda a área de formações florestais da Caatinga, sendo que aproximadamente 37% desse tipo de cobertura está no Ceará.

O Ceará apresentou maior redução na área das formações florestais, na Caatinga, com diminuição de 340 mil hectares, no período de 1985-2020.

c) Formações campestres: os estados da Bahia e Piauí representam atualmente cerca de 72% de toda a área mapeada na Caatinga, referente a esse tipo de uso da terra, sendo que cerca de 57% do total está na Bahia.

O Ceará e a Bahia apresentaram aumento na área de formações campestres, na Caatinga, no período 1985-2020, com um aumento de 220 mil hectares.

d) Pastagem: Bahia e Pernambuco representam hoje cerca de 65% da área total mapeada, para esse tipo de uso da terra, estimando-se que 53% de toda a área de pastagem, mapeada na Caatinga, está na Bahia.

A Bahia destaca-se, na Caatinga, com aumento da área de pastagem em 2,34 Mha, no período 1985-2020.

e) Mosaico agricultura e pecuária: Bahia, Ceará e Piauí representam atualmente cerca de 64% da área mapeada, referente a esse tipo de uso da terra. Estima-se que 34% de toda a área do mosaico agricultura e pastagem, mapeada na Caatinga, está na Bahia.

Minas Gerais e Piauí apresentaram aumento das áreas no mosaico de agropecuária, com acréscimo de 230 mil hectares, no período de 1985-2020.

f) Infraestrutura urbana: Ceará, Bahia e Pernambuco representam hoje cerca de 66% de toda a área mapeada, nesse tipo de cobertura da terra, na Caatinga, sendo que 30% dessa área está no Ceará.

O Ceará, Pernambuco e Bahia representaram cerca de 65% de toda a variação encontrada, no uso e ocupação da terra para área urbana, no período 1985-2020, com um aumento de 180 mil hectares.

3) Bacias hidrográficas tiveram água e vegetação reduzidas

Eventos de secas extremas, no rio São Francisco (1980-2015). Fonte: Lapis_Mapa no QGIS.

Eventos de secas extremas, no rio São Francisco (1980-2015). Fonte: Lapis.

De acordo com o estudo do MapBiomas, todas as regiões hidrográficas da Caatinga apresentaram redução da sua cobertura vegetal natural, no período de 1985-2020. Na região do São Francisco, houve perda de mais de 8% de sua área com vegetação.

No período 1985-2020, a Caatinga apresentou uma extensão média de superfície de água mapeada de 922 mil hectares. A degradação ambiental e as secas severas levaram a Caatinga a perder 40% de sua água de origem natural, nesses 35 anos.

Durante o período, o rio São Francisco, maior bacia hidrográfica do Nordeste, perdeu mais de 30 mil hectares de superfície com água, o que corresponde a cerca de 4% do seu volume total.

Recentemente, um estudo do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis), publicado no periódico Remote Sensing, mostrou que as grandes secas, que historicamente afetaram o Baixo São Francisco, agora atingem as demais áreas da bacia, como é o caso do Alto e Médio São Francisco.

Nessas áreas, estão localizadas as usinas hidrelétricas de Três Marias, Sobradinho e Luiz Gonzaga, além de importantes áreas agrícolas. Leia o post completo sobre a pesquisa.

4) Os estados que mais queimaram a Caatinga nas últimas décadas

Mapa das áreas de queimadas na Caatinga_Mapa noQGIS

Áreas de queimadas - Caatinga (1985-2020). Fonte: MapBiomas. 

O mapa da área de queimadas na Caatinga, destacado no estudo do MapBiomas, mostra o Piauí, Bahia e Ceará como os estados que mais queimaram áreas de Caatinga, no período de 1985-2020.

Juntos, esses estados representam cerca de 87% do total de área queimada no bioma. Vale lembrar que o Piauí e a Bahia compõem a região de Matopiba, a mais recente fronteira agrícola do País, com vocação para produção de grãos. 

5) Fatores agravantes do processo de desertificação na Caatinga

Imagem de satélite das áreas em processo de desertificação_mapa no QGIS

Mapa das áreas em processo de desertificação. Fonte: Lapis.

Os agravantes do processo de desertificação, destacados no estudo do MapBiomas, são queimadas, perda de vegetação natural e redução da superfície de água. Os pesquisadores mapearam 9% dos municípios da Caatinga com degradação grave ou muito grave, com perda de 300 mil hectares, no período de 1985-2020.

Um estudo do Laboratório Lapis, realizado em 2019, classificou em 13% as áreas em processo de desertificação, no Semiárido brasileiro. Esse dado indica que grande parte da cobertura da terra da região já está comprometida com a desertificação.

A desertificação é um processo histórico, que depende de um conjunto de influências naturais e, principalmente, da forma de uso e ocupação da terra. 

De acordo com dados de monitoramento por satélite, do Laboratório Lapis, cerca de 25% das terras do Nordeste apresentam algum nível de degradação (moderado, grave e muito grave). Desse total, estima-se que 13% das terras já se transformaram em deserto.

O levantamento do Lapis mostrou que, na última década, a forma de uso e ocupação dos solos, bem como a severidade das secas, aceleraram o processo de degradação das terras na região. Áreas em torno dos chamados núcleos de desertificação, tiveram seu nível de degradação ampliado.

As áreas consideradas suscetíveis à desertificação (ASD's) são as áreas semiáridas, subúmidas secas e do entorno. No Brasil, abrangem o Semiárido brasileiro, além de territórios do entorno, em Minas Gerais e no Maranhão. Elas podem se tornar deserto, caso aumente o nível de degradação da terra, ao longo do tempo. 

A desertificação é uma resposta a vários outros processos que ocorrem no uso e ocupação da terra. Hoje, o processo de degradação é muito ligado, principalmente, ao desmatamento da Caatinga, para a produção de biomassa, para gerar energia a setores produtivos.

As queimadas, como concentram-se atualmente em Matopiba, para gerar áreas agricultáveis, na nova fronteira agrícola do Brasil, tornam as áreas degradadas, em um curto espaço de tempo.

Um dos motivos para o aumento do processo de degradação, na última década, foi a chamada “Seca do século”, uma grande seca na região, que atingiu a dramática duração de sete anos.

No Livro “Um século de secas”, buscou-se na história de 100 anos de secas, incluindo a mais recente, de 2011-2017, evidências para compreendermos as áreas em processo de desertificação. Para conhecer o Livro, clique aqui

O ano de 2012 foi um período muito crítico para a Caatinga, em seu processo de regeneração, em função não só do uso da terra – desmatamento, queimadas, superpastoreio -, mas também da severidade climática natural.

Mais recentemente, a mudança climática tem sido um fator agravante do processo de desertificação, no Semiárido brasileiro.

Seus impactos se traduzem sobretudo pelo aumento na frequência e intensidade das secas na região, ampliando suas vulnerabilidades climática, ecológica, à desertificação, socioeconômica e institucional. Esses fatores foram aprofundados no Livro "Um século de secas"

O estudo do Lapis foi realizado com uso de imagens do satélite Meteosat-11.

Uso de SIG para análise do uso e ocupação da terra

Mapa gerado no QGIS sobre o rio São Francisco

Análise de dados no QGIS sobre degradação no rio São Francisco.

Os mapas sintetizam as diferentes formas de uso, ocupação e cobertura da terra. Imagens obtidas por sensoriamento remoto possibilitam obter dados de forma rápida, confiável e padronizada, em diferentes faixas espectrais e escalas.

Esses dados, associados a Sistemas de Informação Geográfica (SIG’s), permitem a integração com outros tipos de produtos, tornando ambas as tecnologias complementares. Na pesquisa do Lapis, o software utilizado para análise geoespacial foi o QGIS, a ferramenta de SIG universal, mais utilizada no Brasil e no mundo.  

Os mapas indicam a distribuição espacial dos tipos de ação antrópica, identificada pelos seus padrões homogêneos característicos, na superfície terrestre, a partir de imagens de satélites. Essa identificação é fundamental para orientar a tomada de decisão, para uso ordenado da terra, respeitando a capacidade de suporte e/ou vulnerabilidade dos ecossistemas.

O uso da terra move a sua cobertura de um estado natural para um estado ocupado. Essa é a principal diferença entre os conceitos de “cobertura” e “ocupação” da terra. A forma como é feito o manejo da terra determina se o ambiente é sustentável ​​ou degradado. A mudança climática exacerba muitos processos de degradação da terra.

Os tipos e intensidade do uso humano da terra e os impactos das mudanças climáticas nas terras naturais afetam seus estoques de carbono e sua capacidade de operar como sumidouros de carbono.

É o caso das terras agrícolas, por exemplo, nas quais a degradação normalmente resulta em reduções dos estoques de carbono orgânico do solo e afeta a produtividade da terra.

Os impactos das mudanças climáticas podem aumentar os sumidouros de carbono ou ter fortes efeitos adversos na produtividade, por meio de secas prolongadas, eventos extremos, incêndios e outros distúrbios.

Relação do uso e ocupação da terra com a degradação

Modelo de uso e ocupação da terra define se o ambiente é sustentável. Fonte: Lapis.

Em toda a extensão da intensidade do uso da terra, variando de sistemas silvestres a sistemas cultivados e urbanos, as escolhas de manejo determinam se a degradação aumenta ou diminui. Portanto, a gestão e manejo precisam responder aos impactos do clima para evitar, reduzir ou reverter o processo de deterioração.

Mais informações

Acesse aqui o artigo do Lapis sobre degradação e secas, na Bacia do rio São Francisco. 

A pesquisa do Mapbiomas pode ser acessada neste link

Livro "Um século de secas": as lições 100 anos depois.

Conheça o método do Lapis para gerar mapas, processar e analisar imagens no QGIS, clicando aqui. 

*Post atualizado em: 10.10.2021, às 15h25. 

COMO CITAR ESTE ARTIGO:

LETRAS AMBIENTAIS. [Título do artigo]. ISSN 2674-760X. Acessado em: [Data do acesso]. Disponível em: [Link do artigo].

Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos:



Artigos Relacionados

Pesquisa

Os 7 elementos para classificar o uso e ocupação do solo em imagens de satélites

Agricultura

Impactos do clima na agricultura vistos a partir de imagens de satélite

Clima e energia

Mapa mostra áreas com redução de lavouras em fevereiro

Agricultura

Os melhores indicadores para mapear situação climática do Brasil

Pesquisa

Livro gratuito ensina método para processar imagens de satélites

Inscreva-se

Deixe aqui seu e-mail e receba nossas atualizações.


×

Este site utiliza cookies. Ao fechar este aviso, você concorda. Saiba mais.