Os 5 mapas que reduzem o risco climático das lavouras



Ouça este conteúdo
Parar este conteúdo

O Brasil enfrenta hoje a segunda seca mais intensa, desde 2002. O fenômeno afeta 85% da área do País e essa tendência pode piorar, nos próximos meses.

Segundo o geoprocessador Humberto Barbosa, fundador do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis), a atual situação extrema é parecida com o que ocorreu no período 2012-2013.

Em 2014, a crise hídrica, provocada pela seca extrema no Sudeste brasileiro, ameaçou de colapso o abastecimento de água de São Paulo, a maior metrópole do País.

Naquela ocasião, foi necessário utilizar o volume morto do Sistema Cantareira, considerado um dos maiores complexos de abastecimento de água do mundo, que supre a demanda de quase 9 milhões de brasileiros.

Por isso, é necessário ficar atento às atuais previsões climáticas. No atual cenário, torna-se cada vez mais essencial, ao consultor de geoprocessamento, utilizar as ferramentas corretas, em suas consultorias.

No vídeo acima, o geoprocessador Humberto Barbosa, fundador do Laboratório Lapis, ensina quais são os 5 tipos de mapas, que o consultor de geoprocessamento deve utilizar, para reduzir o risco climático nas lavouras. Todos os mapas apresentados foram elaborados pelo Laboratório Lapis, com uso do software QGIS.

E agora vamos explicar quais são os 5 mapas essenciais, para o monitoramento da seca agrícola.

1) Mapa da umidade do solo

A primeira e mais importante ferramenta, que o consultor de geoprocessamento deve utilizar, é o mapa da umidade do solo. A imagem de satélite acima, da umidade do solo, foi processada pelo Laboratório Lapis, com dados do satélite SMOS.

Como você pode observar, o atual mapa semanal da umidade do solo mostra, quase todo o Brasil, com solos extremamente secos.

Isso ocorre porque na região Sudeste, norte da região Sul, bem como no sul das regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste, a estação chuvosa só começa em meados de setembro e vai até o fim de março.

Este ano, de janeiro a maio de 2021, os municípios do Sudeste receberam 400 milímetros de chuva a menos do que a média histórica.

>> Leia também: O que esperar da previsão de chuva para junho nas áreas agrícolas?

2) Mapa do número de dias sem chuva

Esse segundo mapa mostra o impressionante número de dias sem chuva, no último mês de maio, baseado em dados CHIRPS, ou seja, em dados de precipitação obtidos a partir de satélites.

Observe que toda a área central do Brasil foi afetada pela seca, de forma mais intensa na área central e sul do Nordeste, bem como em toda a região Sudeste e Centro-Oeste.

O meteorologista Humberto Barbosa explica que uma das causas para a falta de chuvas foi um intenso La Niña, ocorrido este ano. O La Niña é caracterizado por temperaturas mais frias do que o normal na superfície do oceano Pacífico central e oriental.

A presença do La Niña foi reconhecida em setembro de 2020, tendo durado até abril de 2021. O La Niña normalmente traz condições mais úmidas para o norte da Amazônia e um clima mais seco na área mais ao sul do Brasil.

Em função das atuais condições climáticas, de neutralidade do fenômeno La Niña ou El Niño, é possível que, a partir de novembro, as condições climáticas sejam mais favoráveis às chuvas. 

>> Leia também: 

3) Mapa da severidade da seca

O terceiro mapa que indicamos é o mapa da severidade da seca, baseado em dados CHIRPS e no cálculo estatístico do Índice de Precipitação Padronizado (SPI).

Essa imagem de satélite permite observar os níveis de intensidade da seca, em determinada área e período. Por exemplo, no mapa acima, é possível observar que o Mato Grosso do Sul terminou o mês de maio em uma situação extrema, de seca excepcional.

>> Leia também: O fator climático crítico que atinge áreas produtoras de grãos no Brasil

4) Mapa semanal da precipitação

O quarto mapa é o mapa semanal da precipitação. Com essa ferramenta, é possível monitorar os volumes de precipitação, em cada área, na última semana, a partir de dados de satélites.

O mapa acima mostra que as condições de seca têm afetado particularmente a região da bacia do rio Paraná, que concentra importantes usinas hidrelétricas, como Jupiá, Ilha Solteira, Porto Primavera e Itaipu.

Os impactos econômicos da seca, contudo, vão muito além da energia elétrica. A lista é longa: milho, açúcar, café, trigo, laranja, carne, ovo, leite e até combustíveis. Por exemplo, a primeira safra de milho sofreu baixo rendimento e a chegada tardia das chuvas, da segunda safra, atrasou novos plantios de milho.

A seca prejudica drasticamente o setor agrícola. Além de reduzir a produtividade, aumenta o preço dos recursos, como água, energia elétrica e ainda aumenta o risco de incêndios.

>> Leia também: Os 3 mapas que todo profissional da agricultura deve utilizar

5) Mapa da cobertura vegetal

O quinto mapa é o da cobertura vegetal do Brasil. Ele é um indicador dos impactos da seca sobre a vegetação, baseado no cálculo do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI), com dados do satélite Meteosat-11.

Se os solos enfrentam situação de estresse hídrica, em poucos dias, a resposta da seca impacta a saúde da vegetação. Isso pode ser visto na imagem de satélite acima, de acordo com as áreas vermelhas (seca intensa) ou amareladas (seca moderada).

Por exemplo, o mapa acima mostra a condição da cobertura vegetal do Brasil, em meados de maio. Até ali, da região Nordeste até a região Sul, havia registro de seca moderada sobre a vegetação. 

>> Leia também: Os 15 fatos que você precisa saber sobre uso de NDVI na agricultura

O risco de seca é cada vez mais presente e esses são os mapas essenciais que, na opinião técnica do geoprocessador Humberto Barbosa, o profissional de geoprocessamento deve utilizar, para monitorar com propriedade o risco de seca agrícola.

Com uso dessas ferramentas agrometeorológicas, é possível aumentar a produtividade das lavouras e reduzir despesas, a cada safra. Tudo isso graças à contribuição do geoprocessador, que utiliza as ferramentas corretas, em sua consultoria, para orientar a tomada de decisão do produtor rural.

E você, já utiliza esses mapas em sua consultoria? Sabe utilizar o QGIS para calcular os indicadores mostrados neste post?

COMO CITAR ESTE ARTIGO:

LETRAS AMBIENTAIS. [Título do artigo]. ISSN 2674-760X. Acessado em: [Data do acesso]. Disponível em: [Link do artigo].

Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos:



Artigos Relacionados

Agricultura

10 motivos para levar a sério alimentos sustentáveis

Pesquisa

5 razões para utilizar imagens de satélites na gestão agrícola

Agricultura

Chuvas deste ano dão origem à seca verde no Semiárido brasileiro

Agricultura

Os 7 principais fatos revelados pelo Censo Agropecuário brasileiro

Agricultura

A oportunidade que muitos profissionais do agro estão perdendo

Clima e energia

Uma novidade na previsão climática para as regiões brasileiras

Agricultura

Urgente! La Niña pode durar até o fim de 2021

Agricultura

Os 15 fatos que você precisa saber sobre uso de NDVI na agricultura

Clima e energia

Estiagem afetará regiões agrícolas brasileiras em abril

Agricultura

A tecnologia para reduzir os impactos da seca agrícola

Agricultura

Radiografia atualizada da seca no Brasil, vista a partir de mapas

Agricultura

O que esperar da previsão de chuva para junho nas áreas agrícolas?

Agricultura

Uso de mapas para monitorar secas “relâmpagos” nas áreas agrícolas

Agricultura

Mapeamento compara atual biomassa de áreas agrícolas do Brasil

Agricultura

Satélite da Nasa vai estimar status dos nutrientes nas lavouras

Inscreva-se

Deixe aqui seu e-mail e receba nossas atualizações.


×

Este site utiliza cookies. Ao fechar este aviso, você concorda. Saiba mais.