As chuvas de junho vão recuperar os impactos da seca nas safras?



Ouça este conteúdo
Parar este conteúdo

Neste post, apresentamos a previsão climática para os próximos meses, nas regiões brasileiras, de acordo com informações do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis).

Iremos fazer uma análise de questões climáticas estratégicas, para o profissional de geoprocessamento, que realiza consultorias agrícolas, para orientar produtores rurais.

A cada safra, as incertezas climáticas cada vez mais desafiam o produtor rural. Há um conjunto de fatores fora de controle, muitas vezes não previstos, que influenciam no regime de chuvas, no frio, no calor e na geada, por exemplo.

É impossível controlar tempo e clima, mas o produtor agrícola não precisa ficar completamente refém do fator climático, aumentando o risco dos seus investimentos e a incerteza dos resultados da safra.

Não há como mudar o clima, mas é possível quantificar seu impacto e saber como as variáveis climáticas podem afetar a produtividade.

É por isso que o profissional de geoprocessamento, com uso de produtos agrometeorológicos, tem se tornado tão necessário. Em suas consultorias agrícolas, ele consegue fazer uma radiografia da atual condição climática e ambiental, orientando o produtor rural para uma decisão mais estratégica.

Nos últimos meses, a seca tem prejudicado as áreas produtoras de milho, café e cana-de-açúcar. O fenômeno comprometeu as lavouras semeadas de setembro de 2020 até maio deste ano.

Como mostrado no mapa abaixo, da severidade da seca, durante o mês de maio, foi registrada seca excepcional, em estados produtores de grãos, como o Mato Grosso do Sul. Nesse período, as chuvas foram abaixo da média.

O início de junho mais chuvoso, na área sul, do Centro-Sul brasileiro. Mas será que essa chuva de junho é suficiente para recuperar a queda que a seca pode provocar na safra de inverno?

Para saber disso, é necessário avaliar os fatores climáticos. É por isso que, neste post, essa análise será feita pelo geoprocessador Humberto Barbosa, fundador do Lapis, com uso de imagens de satélites e resultados de modelos climáticos.

O fato é que, ao longo de 2021, conforme os meses foram passando, a falta de chuvas pegou de surpresa e decepcionou os produtores. Ao mesmo tempo, muitos já preveem um prejuízo ainda maior do que o esperado, em função da longa estiagem.

Em relação à produtividade agrícola, 45% da variabilidade da eficiência de produção do milho e da cana vêm de fatores climáticos, como a radiação solar, a deficiência hídrica, a temperatura e a precipitação.

Apenas 15% são resultado do tipo de solo e outros 40% derivam do manejo, o que inclui questões econômicas, fatores bióticos e a manipulação das lavouras.

Olhando para a frente, com os cenários futuros, o produtor rural consegue se antecipar em termos de comercialização. Passa a ser possível saber quando vender, quanto esperar, quanto estocar, entre outros procedimentos da rotina da fazenda.

Previsão climática para os próximos meses

O meteorologista Humberto Barbosa, do Lapis, apresenta uma previsão climática animadora, para a partir de setembro, quando terá início a estação chuvosa, no Centro-Sul.

Todavia, ele ressalta que apesar da melhora no volume de chuvas, agora em junho, o mês de julho e agosto ainda deverá ser com estiagem, no Centro-Sul. Essa previsão é baseada nas atuais projeções dos modelos climáticos, para as temperaturas dos oceanos.

Mesmo com essas chuvas de junho, os impactos da estiagem, na segunda safra do milho safrinha, não serão revertidos. Mas as precipitações deste mês podem ajudar as lavouras de cana de açúcar, principalmente no Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná.

Veja na imagem de abertura deste post, as áreas em verde destacam volumes de chuva acima da média, em setembro. As áreas em branco mostram chuvas em torno da média histórica. Isso será favorável para o início da quadra chuvosa, no Centro-Sul, com benefícios à maioria dos estados produtores.

A aplicação nada óbvia do sensoriamento remoto para avaliar o crescimento da lavoura

O iniciante na área de sensoriamento remoto, ou mesmo quem já possui algum conhecimento, pode ainda não ter atentado para essa aplicação que o Laboratório Lapis adotou, que ajuda na curva de aprendizado da ferramenta, embora não seja tão óbvia no começo.

Nos últimos meses, a seca tem prejudicado o desenvolvimento do milho safrinha, em estados como o Paraná. O fenômeno comprometeu lavouras semeadas, no período de setembro a novembro de 2020, hoje em fase de colheita (veja o gráfico abaixo).

Uma das maiores preocupações do produtor de milho é com a produtividade da plantação. Essa variável determina se os investimentos compensaram e vão gerar lucros, assim como se os produtos terão a qualidade e a quantidade desejadas.

A produtividade representa mais receita e o lucro tem que combinar com a redução das despesas. Porém, a questão é: como aumentar a produtividade e reduzir despesas?

O produtor pode acompanhar o crescimento das plantas e receber relatórios semanais, indicando anomalias e eventuais problemas, enfrentando-os antes que perdas mais graves possam ocorrer.

O gráfico acima mostra a análise do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI), comparando a área plantada de milho de primeira safra, no Paraná, em 2019/2020 e em 2020/2021.

O NDVI é um indicador do vigor da biomassa vegetal, obtido a partir de satélites. O Laboratório Lapis desenvolveu um método para geração do NDVI de frequência diária, com uso de geoprocessamento.

A ferramenta é extremamente útil para avaliação de riscos climáticos na lavoura. Observe, no gráfico, como as chuvas irregulares acarretaram perdas na produtividade das lavouras.

O NDVI, obtido a partir do satélite Meteosat-11, é especialmente eficiente no controle do uso de insumos. Ele serve para aumentar o nível de detalhes de observação da lavoura.

Mais informações

Livro “Sistema Eumetcast” e Livro “Um século de secas”, do geoprocessador Humberto Barbosa.

COMO CITAR ESTE ARTIGO:

LETRAS AMBIENTAIS. [Título do artigo]. ISSN 2674-760X. Acessado em: [Data do acesso]. Disponível em: [Link do artigo].

Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos:



Artigos Relacionados

Clima e energia

Energias renováveis: 10 motivos porque reduzem a crise

Clima e energia

Como o Atlântico favorece as chuvas no Nordeste?

Clima e energia

Quanto custam as secas ao Brasil?

Clima e energia

Uma radiografia da seca nos estados do Nordeste, em mapas

Agricultura

O que fazer quando a seca inviabilizar a produção agrícola?

Agricultura

Atualização do La Niña e um método para monitorar secas agrícolas

Clima e energia

“Seca relâmpago”: o que é e como identificá-la a partir de mapas?

Clima e energia

La Niña volta em novembro. E agora, como fica o clima brasileiro?

Inscreva-se

Deixe aqui seu e-mail e receba nossas atualizações.


×

Este site utiliza cookies. Ao fechar este aviso, você concorda. Saiba mais.